BLOG


Cookie do João

Os cookies do meu filho João

Cookie do João

Para quem não sabe, João é o meu filho. Hoje, ele tem 4 anos, mas quando fiz esses cookies, ele ainda aceitava que eu o chamasse de bebê da mamãe.

Quando eu descobri que estava grávida, imaginei um mundo ideal para cria-lo; que incluía comida orgânica, sem açúcares, cheio de frutas frescas, verduras, legumes e claro, zero ou quase zero industrializados.

Bom, não foi bem assim, durante quase 2 anos de vida do João, eu me achava o máximo, mãe maravilha mesmo, e dizia em alto e bom som, que até o leite do meu filho era com cacau e zero açúcar; mas isso durou muito pouco.

O primeiro contato do João com o açúcar foi de estranheza, ele rejeitou e eu vibrei, do segundo em diante, foi literalmente morro abaixo todo meu esforço; o menino simplesmente A M O U, o danado do brigadeiro e para o chocolate em barra e os cookies industrializados, foi um pulo.

Passei a me sentir uma mãe não muito maravilha, e fiquei incomodada (acho que meio enciumada) dele amar tanto aqueles biscoitinhos duros e cheios de conservantes, vendidos em pacotes de cores amarela e azul.
Foi ai que entendi que precisava mudar isso, fui para a cozinha e fiz infinitos tipos de cookie e foram esses, que estou compartilhando com vocês, que me fizeram conquistar o paladar do meu filho.

Ridiculamente fáceis de serem feitos, vão do freezer ao forno e ficam 3 dias crocantes e deliciosos se mantidos em potes hermeticamente fechados.

Que esses cookies cheguem cheios de amor e criem histórias na sua vida como vem criando na minha.

Um beijo!!

Juliana Araújo

Cookie de chocolate do João:

120g de manteiga em temperatura ambiente.
1 xícara (chá) de açúcar mascavo. (pode usar o açúcar de sua preferência)
100g de chocolate 70% derretido.
1 e ½ xicara (chá) de farinha de trigo.
1 colher (chá) de fermento em pó.
1 ovo.
100g de gotas de chocolate.

Modo de preparo:

Junte a manteiga e o açúcar e com ajuda de um batedor de arame ou a batedeira, bata até que forme um creme fofo, junte o chocolate derretido e mexa bem. Va acrescentando a farinha de trigo e mexendo sem bater (assim não desenvolve o glúten). Coloque o ovo e misture até homogeneizar. Por fim, junte o fermento e as gostas de chocolate, misture até que esteja uma massa bem homogênea.
Forre uma assadeira com papel manteiga e com ajuda de uma colher, coloque colheradas da massa e leve para assar por cerca de 15min em forno 180 graus.
** Os cookies saem do forno moles, assim que esfriarem ficarão crocantes.


Almoço Executivo

Ei pessoal, tudo bem?! Estamos aqui pra contar uma novidade pra vcs!!
Sabe aquela comida caseira, gostosa e quentinha com jeitinho de casa de mãe?!
Pois é, agora vc encontra isso no nosso espaço!

De segunda a sexta, das 11:00 as 15:00 estaremos abertos para servir almoço executivo com um sabor super especial e tudo isso a um preço justo! A partir de R$12,90!

Venha experimentar!


Aviso

Aviso

Nossa agenda de jantar/aula encontra-se disponível no menu agenda. Para maiores informações entrem em contato conosco pelo e-mail [email protected], WhatsApp (31) 98888-7429/99436-1999 ou ☎️ (32) 3031-7429. #julianaaraujogastronomia #encomendas #jantar #jantar/aula #eventos


Um passeio por Santiago

Estamos na contagem regressiva para a abertura do nosso Espaço Gastronômico e por isso fomos a Santiago visitar algumas vinícolas, conhecer um pouco mais sobre cultivo das uvas, processos de fermentação, armazenamento e harmonização de vinhos.



rafaeju_conchaytoro



Passamos pela já famosa Concha y Toro, do já conhecido e renomado vinho Casillero Del Diablo e visitamos também a Casona Veramonte. Duas belas vinícolas, que produzem vinhos de alta qualidade, ambas ganhadoras de renomados prêmios… e lógicoooooo trouxemos muitos vinhos nas malas, além de muito conhecimento.




rafaeju_veramonte


E claro, como não é só de vinho que se vive o Chile, fomos comer, conhecer a gastronomia e sabores da capital chilena.

Começamos por um belo restaurante, chamado Osaka. Localizado dentro do W Santiago Hotel, um 4 estrelas do bairro de Las Condes. Com uma decoração sofisticada e bom atendimento, conta com uma cozinha Nikkei, de sabores apimentados e caprichados na acidez. O que mais me chamou atenção foi o gengibre desidratado, que apesar de preservar sua picância, tem um leve sabor adocicado, que veio sobre um carpaccio salmão impecável. As patas de caranguejo deixaram a desejar no sabor, apesar de ter sido um dos pratos mais recomendados pela casa.




carpaccio_salmao_gengibre

pata_caranguejo



Continuando nosso tour gastronômico, fomos almoçar no Mercado Central de Santiago e a escolha não poderia ser outra além da famosa Centolla, escolhemos o restaurante El Galéon… confesso que tive um pouco de resistência para experimentá-la, mas para minha surpresa, adoreiiiiii!!! Apenas cozida em água, ela vem acompanhada de uma panelinha de barro contendo um molhinho de azeite e alho amassado e fervendo, que é a combinação perfeita para essa carne macia, adocicada e muito saborosa.



centolla_chef

centolla




E comer foi mesmo o que mais fizemos no Chile. Em uma tenda no meio da estrada que liga Santiago a Viña del Mar (Rota 68), encontramos um simpático senhor que vendia umas das melhores empanadas chilenas que já comi. Quente e com muuuito queijo, lembravam muito nossos deliciosos pastéis de feira.

E finalizamos em um lugar que combina empório e restaurante, a Coquinaria (fomos na unidade da Alonso de Córdova). De lá, saí com muuuitos temperos, chás, mel, melados, sal, geléias e a melhor experiência gastronômica vivida em Santiago, sem sombra de dúvidas. Escolhi um arroz integral com peixe… o arroz surpreendentemente saboroso contrastava com o peixe que tinha uma leve crocância por fora e suculência por dentro, meu marido e sócio, aventurou-se em um prato com carne, que chegou macia, no ponto pedido e veio acompanhada de batatas fritas, salada e molho hollandaise. Ahhhh e para fechar com chave de ouro, pedimos a degustação de doces da casa para sobremesa… Que doce escolha!!! Vale a pena conferir.



coquinaria_pratos

coquinaria_degustacao




Seguem os contatos dos restaurantes e vinícolas citadas nesse post:

Vinícola Concha y Toro:
http://conchaytoro.com
+56 2 2476 5000

Vinícola Casona Veramonte:
http://casonaveramonte.com
+56 3 2232 9955

Restaurante Osaka:
http://www.osaka.com.pe
+56 2 2770 0081

Restaurante El Galeón:
http://elgaleon.cl
+56 2 2696 4258

Coquinaria Empório e Restaurante:
http://www.coquinaria.cl/
+56 2 2206 5018


Bolo de Puba

A puba é uma massa extraída da mandioca, que passa por um processo de fermentação natural, muito comum na região norte-nordeste brasileiro. Com ela prepara-se bolos, biscoitos, cuscuz entre outras comidas típicas.

Hoje vou compartilhar com vocês o Bolo de Puba da minha mãe, este bolo esteve presente em toda minha infância e grande parte da juventude. Clique aqui para ver.


Festa Junina


Junho é o mês de comemorarmos os dias de São João, Santo Antônio, São Pedro e esses festejos estão fortemente ligados a culinária.
Festejar essas datas significa ter uma fogueira acesa e muita comida típica, normalmente à base de milho que é uma herança indígena de celebrar a época da colheita.
Em uma tradicional festa de São João nordestina, não pode faltar o mugunzá, pamonha, curau de milho, cuscuz, arroz doce, canjica, feijão-de-corda, charque entre outras delicias.
Esse ano resolvemos festejar esta data que tanto amo mas que tem ficado perdida na correria do dia-dia e não tinha forma melhor pra isso do que ir para a fazenda e reunir a família para os festejos.
Uma das comidas que mais amo dessa epoca é a pamonha, e seu preparo ficou por conta do meu tio Gilvan que é um mestre pamonheiro de primeira e ele dividiu com a gente sua receita e os segredos de uma boa pamonha. E o melhor, superrrr fácil de fazer.

Pamonha

Receita:

10 espigas de milho verde
2 xícaras (chá) de açúcar
1 pitada de sal
1 colher (sopa) de manteiga
200ml de leite de coco
6 saquinhos plásticos

Corte o milho retirando o grão do sabugo, depois bata no liquidificador com o mínimo de água possível.
Passe por uma peneira grossa espremendo bem o bagaço para extrair o máximo de polpa de milho que conseguir.
Adicione os demais ingredientes e coloque em saquinhos de plasticos, retirando o ar e feche-os. Leve para cozinhar em água quente por mais ou menos 2 horas ou até que a cozinha esteja com perfume de milho cozido.

Dica do tio Gilvan:
A massa da pamonha tem que estar bem consistente, por isso não use muita água para bater o milho. Se preferir pode ralar o milho no ralo grosso e ai não é necessário o uso da água.
Substitua a palha do milho por saquinhos plásticos para o cozimento da pamonha.


O que que a Bahia tem?!? Moquecaaaa!!!

Ahhh Bahia, estado quente, de gente acolhedora e uma gastronomia rica em cores, aromas, sabores, que só de imaginar já fico com fome!
Tem como não amar aquela moqueca feita em panela de barro, com dendê e leite de coco fresco, que chega a mesa borbulhando?! Sem falar na casquinha de siri, xinxim de galinha e, é claro, o acarajé que já tem um cantinho todo especial em meu coração!!
Na minha última visita a Salvador, fui conhecer o KiMukeka, do bairro Itapuã, é simplesmente tudo MA-RA-VI-LHO-SO!!!
Para começar pedi uma casquinha de siri, que era de comer de joelhos (como a Ana Maria Braga), ai eu pensei?!

_____  A moqueca não vai superar em sabor essa casquinha de Siri. Que engano!! _____

Chegou para nós uma moqueca quente, cheirosa, com peixe cozido no ponto certo, muito bem temperado… DIVINA!!! Nada me deixa mais feliz do que comer bem, nem preciso falar que voltei com sorriso de orelha a orelha (como dizia minha mãe, quando estava feliz) e louca para reproduzir aquela delícia de moqueca.
Fiz uma versão com peixe, lula e camarão! Clique aqui para ver a receita que eu postei aqui no site!
Faça a sua também e nos conte como ficou!!!


Postando dicas, compartilhando nossa história!

Oi pessoal! tudo bem?!

Nesse espaço vou postar bastante dicas pra vocês e compartilhar as minhas experiências na cozinha e em restaurantes mundo afora!!

Fiquem ligados e aproveitem!

Beijos, Ju.




Whatsapp

(31) 98888-7429
ou
(32) 98412-2559